Kinokuniya da Austrália fala sobre a Retirada de Mangás de sua Loja

Kinokuniya da Austrália fala sobre a Retirada de Mangás de sua Loja

Diferente da Amazon americana, que retirou e está retirando light novels de várias editoras de sua loja, a Kinokuniya de Sydney, na Austrália, publicou no twitter a sua posição sobre a recente retirada de mangás como Eromanga-sensei e SAO de sua loja.

Eu vou traduzir todos os tweets que a loja fez, mas caso queira ver no próprio twitter, e só clicar abaixo:

Tradução:

 

Muito obrigado pelo seu feedback sobre as notícias das retiradas de mangás da nossa loja.

Nós apreciamos a sua frustração sobre isso e gostaríamos de explicar melhor a nossa posição.

Nós entendemos completamente sua preocupação na sua crença de que a Kinokuniya ”cedeu” as exigências de alguns políticos e nos tornamos censuradores, mas por favor, esse não é o caso, ou assim tão simples.

Quando estes títulos tiveram a atenção do Conselho de Classificação, devido a alguns políticos, acabou que caiu para eles decidirem se os títulos devem ser submetidos de forma oficial para classificação, antes que a gente possa vender eles.

Esta determinação é baseada em se os títulos contém representações ou descrições que podem ser consideradas ofensivas a alguém.

Como a gente importa eles para a Austrália para vendê-los a você, somos considerados responsáveis por garantir que sejam submetidos ao Conselho, mas para que sejam classificados precisaríamos pagar uma taxa para cada título, cujo custo torna o preço do processo proibitivo para nós.

O Conselho de Classificação – que na verdade tem sido muito favorável em nos orientar durante o processo – indicou que alguns dos títulos provavelmente poderiam se por a venda irrestrita, outros poderiam ter restrições aplicáveis, e muito poucos seriam recusados a ter classificação.

Mas eles deveriam ir pelo processo oficial para estas determinações.

Quando os títulos tiverem uma classificação oficial, nós estaremos mais do que felizes para colocá-los de volta nas nossas prateleiras e oferecer eles a venda novamente.

O ideal seria que as editoras os submetessem ao Conselho para receber classificação, o que permitiria que todas as lojas de livros e quadrinhos na Austrália os vendessem sem medo de que estivessem infringindo a lei.

Então por favor, não ache que a gente se curvou a pressão política, nós na verdade só agimos como a lei determina, não mais, não menos.

Bom, agora que a Kinokuniya fez uma declaração, da para ver que eles estavam agindo como forma de não terem nenhum problema futuro, pelas leis da Austrália, mangás e light novels não precisam ter uma classificação, se eu entendi corretamente.

A treta agora passa a virar contra os políticos que querem alterar as regras de classificação da Austrália, e que também querem proibir estes tipos de mangás e light novels nas lojas do país e do mundo.


%d blogueiros gostam disto: