Controvérsias na Indústria dos Animes

Controvérsias na Indústria dos Animes

Controvérsias são tensas mas tem muita gente que curte as tretas e saber o que aconteceu nelas. Abaixo listo 8 tretas pesadas que ocorreram no passado.

Originalmente publicado em nosso antigo site no dia 19/03/2018.

Caso Aya Hirano

Nos anos 2000 a popularidade de Aya Hirano era ENORME graças a sua dublagem de Suzumiya Haruhi e Konata Izumi (dos animes Haruhi Suzumiya e Lucky Star). Após dublar o filme do Desaparecimento de Suzumiya Haruhi, Aya disse que queria deixar a imagem de ”rainha otaku” para levar mais a sério sua carreira musical.

Quando foi ao programa Gout Temps Nouveau, ela falou sobre sair com homens mais velhos e que ela já saiu com vários parceiros ao mesmo tempo e, bom, vocês sabem como uma certa parte dos otakus são né. Com essa declaração, Aya quebrou a imagem de ”pura e virgem” que os fãs tinham para focar mais na sua carreira musical, porém o que fudeu ela não foi bem isso.

Acabou vazando que Aya dormiu com todos os membros da sua banda, exceto o baixista, porque ninguém leva o baixista a sério. Essa treta fez com que Hirano deixasse a Lantis, Space Craft e a Grick em 2011 para entrar na Universal Sigma em 2012.

Caso Emi Nitta

Emi Nitta é a dubladora da Honoka Kosaka, a líder das µ’s do primeiro Love Live, porém um rumor acabou ferrando e muito com ela.

Pouco tempo depois do show de despedida em 2015, o Weekly Asahi Geinou publicou uma matéria em que alegava que Nitta havia aparecido em um vídeo pornô em 2008, dois anos antes dela se tornar dubladora e, apesar de Nitta negar e da sua agência também, algumas pessoas compraram o rumor.

Rumores ligados a atos sexuais normalmente acabam com as carreiras de dubladoras/idols como Nitta, já que a indústria quer mulheres ”puras”. Eu lembro de ter acompanhado essa treta, cheguei a ver o filme em que supostamente era a Emi.

Surgiram rumores de que ela estava perdendo peso por causa da preocupação, um monte de gente xingava ela nas redes sociais, vídeos e fotos comparando Emi com a mulher do filme surgiram na internet.

Caso queira conferir, o nome do filme é 素人図鑑 File-07, que por conta da treta, na época subiu no ranking de filmes mais vendidos na DMM.

Caso Kemono Friends

Essa treta ocorreu em 2017. Alguns meses depois do grande sucesso do anime Kemono Friends, Tatsuki, o diretor que decidiu a maioria das coisas no anime, foi ao twitter avisar aos fãs que ele não seria mais o diretor do anime, que ele havia sido demitido sem explicação pela Kadokawa e que o Yaoyorozu, o estúdio que animou a primeira temporada, não iria fazer a segunda.

A coisa ficou feia porque a Kadokawa deu umas desculpas loucas para demitir Tatsuki, falando que ele e sua equipe lançaram um episódio 12.1 sem autorização, porém o produtor Yoshita Fukuhara foi ao twitter falar que Tatsuki tinha total permissão.

No meio da treta, a Kadokawa fez as dubladoras do anime se desculparem, mesmo que elas não tivessem absolutamente nenhuma relação com a treta. O incidente ficou conhecido como ”escudo das dubladoras”, porque a Kadokawa queria se proteger da reclamação dos fãs pelas dubladoras.

Caso Ai Takabe

Como acabar com sua carreira, isso se você viver num país sério, é claro.

O Japão é duro em relação ao uso de drogas, e a ex-dubladora Ai Takabe sofreu isso. Takabe estreou como dubladora em 2009 fazendo Fumi Manjoume no anime Aoi Hana e em 2012 teve um papel grande como Agiri em Kill me Baby.

Porém sua carreira acabou quando ela foi presa por posse de cocaína. Ela foi logo demitida da sua agência e condenada nas redes sociais; o nome dela foi apagado de todos os lugares em que ela trabalhou.

Porém o pior da história nem foi isso. O promotor de Tóquio decidiu acabar com as acusações, isso porque a quantidade de droga que Takabe tinha era muito pouca, e que ela já havia sido punida pela sociedade; ela basicamente serviu como exemplo pro resto das pessoas dessa indústria.

Takami Akai

Takami Akai é um ícone da indústria, mas às vezes ele fala mesmo, e isso fez ele se envolver em treta.

Gurren Lagann não recebeu uma série de elogios no Japão, muita gente criticou o anime por não ter uma boa animação e não fazer sentido, isso fez com que Keiko Mimori, um produtor, escrevesse em seu blog que ”otakus são estúpidos, estúpidos e que deveriam morrer”. Algumas semanas depois ela respondeu sobre as acusações de queda de qualidade na animação dizendo que a equipe de produção não deveria ”ouvir amadores que não entendem de nada”.

Porém tudo piorou quando Akai escreveu no 2chan que, vocês sabem como é, ouvir as críticas dos fãs era como ”colocar seu rosto perto de um cu e respirar profundamente”. Isso foi na época do 4º episódio do anime e fez com que Akai saísse da produção e deixasse a Gainax.

Caso Kenji Yamamoto

Kenji Yamamoto era um compositor com uma carreira sólida, ele trabalhou dos anos 80 até os 2000 e fez a trilha sonora de vários filmes de Dragon Ball Z.

Porém, foi em Dragon Ball Kai que ele caiu. Yamamoto foi contratado para produzir a trilha sonora do anime, mas fã é a desgraça, e eles logo reconheceram as músicas, e essas músicas eram cópias de outros trabalhos.

Logo advogados entraram em ação e descobriram que Yamamoto esteve plagiando músicas desde os anos 80. A Toei substituiu a trilha sonora que Yamamoto fez para Kai com músicas originais, tirou todas as músicas da loja e substituiu as músicas do passado.

Caso Kazuyoshi Yaginuma

Esse é o mais recente, várias pessoas perceberam que o diretor do anime Net-juu no Susume postava mensagens no twitter em japonês e em inglês sobre Nazismo, segunda guerra… Ele questionava a veracidade do diário de Anne Frank, se perguntava se o Holocausto realmente aconteceu e acusou os judeus de serem a razão dos problemas do mundo e da indústria de animes.

Aconteceu que uma empresa ligada ao Crunchyroll e o estúdio SIGNAL MD tiveram que fazer declarações públicas de que não apoiavam a visão do diretor, e que não voltariam a trabalhar com ele.

A conta dele no twitter foi suspensa e pela listagem no MAL, ele não apareceu mais nos créditos de novos animes.

Caso Nobuhiro Watsuki

Em 2017 muitos fãs ocidentais de Samurai X ficaram em choque quando o autor do mangá, Nobuhiro Watsuki, foi preso por possuir DVDs com pornografia infantil. Ele disse a polícia que gostava de meninas colegiais de 14 anos.

A prisão de Watsuki deu alguns danos a Samurai X. O novo arco do mangá entrou em hiato no Japão, nos Estados Unidos a Viz chegou a retirar o mangá de seu site, e uma emissora japonesa que ia transmitir o filme live action cancelou a exibição.

No dia 27 de Fevereiro de 2018, a corte de Tóquio disse que Watsuki não seria mais preso por possuir pornografia infantil, que ao invés disso ele iria pagar uma multa de 200.000 ienes.

Neste ano o Oda apareceu numa entrevista com o Watsuki e na internet a galera questionou o Oda por se envolver com um pedófilo.


%d blogueiros gostam disto: