Katsuei Hirasawa, do caso de 2002, vira Ministro da Reconstrução

Katsuei Hirasawa do caso de 2002, virou Ministro da Reconstrução

Shinzo Abe anunciou um tempo atrás que vai deixar o cargo de primeiro ministro do Japão por motivos de saúde, então uma corrida para a escolha do novo primeiro ministro começou.

Após várias coisas, Yoshihide Suga foi escolhido para ocupar o cargo de primeiro ministro do Japão, e obviamente isso significa novos ministros.

E um dos nomes escolhidos é Katsuei Hirasawa, ele vai ocupar o cargo de Ministro da Reconstrução.

Mas por que eu estou fazendo um post pra falar do Katsuei Hirasawa?

Porque segundo os japoneses, ele foi quem começou a investigação do caso Missitsu.

Explicando:

Missitsu era um mangá hentai de 144 páginas publicado em maio de 2002 pela Shobunkan, uma editora fundada em 1993 por Motonori Kishi. Suas histórias haviam aparecido originalmente na edição de Agosto de 2001 da revista Himedorobo.

Missitsu é uma coleção de 8 histórias feitas por Yuji Suwa. Bom, em Agosto de 2002, um pai achou uma cópia de Himedorobo no quarto de seu filho, ele então enviou uma carta bastante irritado para o seu representante na dieta nacional, o senhor Katsuei Hirasawa, citando o trabalho de Yuji Suwa como o mais ”ofensivo”.

Hirasawa então levou esta carta para a polícia de Tóquio, que conduziu uma investigação, onde eles pegaram Missitsu e abriram processo porque ”genitálias e cenas sexuais eram desenhadas com muitos detalhes e realisticamente”.

No dia 1º de Outubro, a polícia prendeu Suwa, Kishi e o editor chefe Koichi Takada sob as acusações de distribuir material obsceno que violava o artigo 175 do código criminal do Japão.

Para evitar serem presos, Suwa e Takada se declararam culpados, e tiveram que pagar 500.000 ienes cada. Já Kishi decidiu se tornar réu, ele queria defender a liberdade de expressão, e em Janeiro de 2004 ele foi condenado a um ano de prisão, que após apelação ao Tribunal Superior de Tóquio, teve em Junho de 2005 sua sentença reduzida a  uma multa de 1,5 milhões de ienes.

Todo o julgamento do caso Missitsu girou em torno se a obra era considera obscena para o Artigo 175. O Tribunal definiu uma obra obscena como aquela que “desperta e estimula o desejo sexual, ofende o senso comum de modéstia ou vergonha e viola os conceitos adequados de moralidade sexual”.

Após este caso, várias livrarias e lojas de varejo removeram sessões exclusivas para conteúdo adulto na época.

Bom, o intuito deste post e só deixar vocês a par mesmo de que hoje Katsuei Hirasawa virou Ministro da Reconstrução. Não significa que ele vá conseguir fazer algo contra mangás/animes hentais, mas é importante ficar atento.

Japoneses já estão atentos, pois eles sentem que isso pode significar um problema futuro para mangás adultos.


Curta a gente no Face, siga no Insta e no Twitter!! Arigas!!

Compartilhe!!