Autor de JoJo, Hirohiko Araki, compartilha sua filosofia em escrever vilões

Autor de JoJo, Hirohiko Araki, compartilha sua filosofia em escrever vilões

O criador de Jojo’s Bizarre Adventure, Hirohiko Araki, foi entrevistado pela revista japonesa Kotoba em sua edição de primavera de 2020 sobre como ele escreve vilões memoráveis. Ele mencionou vários aspectos importantes que foram importantes para a criação do vilão icônico Dio:

  • A raiz do mal está no horror: Dio é um vilão imponente porque seu rancor contra a família Joestar abrange gerações inteiras. Ele é um vampiro imortal, e mesmo quando é derrotado, ele volta para assombrar os descendentes de Jonathan Joestar. Araki disse que se perguntava o que mais o assustava, é uma maldição que transcende o tempo, e não um inimigo com poderes invencíveis ou disposição violenta.
  • “Mal” é atraente para um leitor quando parece incognoscível: existe um tipo de apelo ao tentar entender sua filosofia adotada por um vilão cujas ações parecem impossíveis de prever no momento. As histórias de aventura giram em torno de mistérios e outras coisas que parecem além da compreensão das pessoas na sociedade comum, por isso é lógico que os vilões, que representam um obstáculo que deve ser superado, estão cheios de mistérios.

O criador de Jojo's Bizarre Adventure, Hirohiko Araki, compartilha sua filosofia em escrever vilões

Araki também menciona vários títulos que foram influentes em torno da criação de Jojo’s Bizarre Adventure e ajudou a “montar o cenário”, por assim dizer, para que o estilo de vilões de Araki atraísse o público. The Silence of the Lambs, dirigido por Jonathan Demme, é sobre um assassino em série cuja existência é assustadora, porque há incerteza sobre quando ele matará novamente e o que exatamente o leva a matar. A série de mangás Yamikin Ushijima-kun, retrata vilões carismáticos que o leitor não pode deixar de se envolver, apesar de objetar suas ações a cada passo do caminho.

Araki menciona ainda vários vilões da mídia que causaram um forte impacto nele. Ele destacou o filme Frost/Nixon, dirigido por Ron Howard, por retratar o ex-presidente dos EUA Richard Nixon como o tipo de pessoa que usa jogos mentais na tentativa de exonerar-se de atos ilícitos. Para Araki, o personagem representa um “mal poderoso que é evidente de se ver”. Ele também elogiou o Hereditary, dirigido por Ari Aster, por retratar o medo existencial causado por uma maldição sobrenatural que assombra até aqueles que ousam falar sobre isso. Por fim, ele elogiou Joker, dirigido por Todd Phillips, por retratar o mal como um produto da sociedade de origem, descrevendo-o como “simbólico” da era atual.

Araki foi entrevistado anteriormente por Kotoba sobre as influências que recebeu das histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle. Araki disse que aprendeu os fundamentos da narrativa com Sherlock Holmes, particularmente a estrutura narrativa e como criar personagens carismáticos.


Leia Mais JoJo!

Apoie a VSA! Doe pelo Paypal, Curta a gente no Face, Insta e Twitter! Compre Mangás na Amazon e compre JoJo, leia JoJo

%d blogueiros gostam disto: